domingo, 9 de agosto de 2015


Foto 1: Toninho Ganzarolli (Vereador) e Walfrids Poloni 



Comemorações 09JUL15

Morro do Cristo, Pedreira-SP

(Monumento Constitucionalista em Homenagem aos Combatentes Pedreirenses)


Foto 2 (esquerda para direita): Carlos Pollo (Prefeito), Moacir (Escoteiro), Toninho Ganzarolli (Vereador), Membro dos Escoteiros e Walfrids Poloni 

sexta-feira, 10 de julho de 2015






Monumento Constitucionalista em Homenagem aos Combatentes Pedreirenses Arnaldo Rossi, Edu Rossi e Guilherme Filippini Jr.
(inaugurado em 26OUT1997, Morro do Cristo, Pedreira-SP)







Resquícios de Trincheira da Revolução Constitucionalista (Sítio Politi, Pedreira-SP)
Walfrids Poloni - 09JUL2015
55ª Vitrine em Memória da Revolução Constitucionalista

sexta-feira, 29 de maio de 2015


Professor ARNALDO ROSSI

O Professor Arnaldo Rossi nasceu em Pedreira-SP, aos 3 de novembro de 1910. Era filho de Luis Rossi e Doralice Benati Rossi.
Fez o curso Primário no Grupo Escolar Cel. João Pedro de Godoy Moreira, em Pedreira.
O curso Ginasial no Colégio Cesário Motta, em Campinas-SP, formando-se Professor Primário em 1933, pela Escola Normal Oficial “Carlos Gomes” em Campinas.
Em 1932, participou da Revolução Constitucionalista juntamente com Edu Rossi e Guilherme Filippini Junior.
Em 6 de fevereiro de 1934, foi nomeado Substituto Efetivo do Grupo Escolar de Pedreira.
Em 17 de dezembro de 1935, foi nomeado estagiário para o Grupo Escolar do Bairro dos Gonzagas em Promissão.
Em 28 de dezembro de 1936, foi efetivado na referida escola tendo assumido a direção interina do estabelecimento, durante o impedimento por licença do titular efetivo.
Em 4 de outubro de 1937, foi designado para substituir em Promissão, durante o impedimento do Sr. Francisco Moreira Filho, diretor daquele estabelecimento.
Em 30 de janeiro de 1940, foi removido por concurso para igual cargo no Grupo Escolar Randolfo Moreira Fernandes, em Indaiatuba-SP.
Em 26 de junho de 1941, contraiu matrimônio com Ana Ferrari e a 20 de abril de 1942, o lar do Prof. Arnaldo é agraciado com o nascimento do primogênito José Celso.
Em 28 de abril de 1942, foi nomeado para exercer em Promissão o cargo de diretor estagiário do Grupo Escolar do Bairro dos Gonzaga, 4ª categoria, em Promissão.
Em 14 de abril de 1944, nasce mais um filho, recebendo este o nome de Sérgio.
Em 20 de julho de 1944, foi efetivado no cargo acima, ficando exonerado do cargo de adjunto do Grupo Escolar Randolfo Moreira Fernandes, em Indaiatuba.
Em 6 de março de 1945, foi removido por concurso para as funções de Técnico de Educação com exercício no Grupo Escolar de Pereiras, de 4ª categoria.
Em 4 de maio de 1945, foi designado para exercer, a partir de 13 de março, as funções de Auxiliar de Inspeção em Pereiras.
Em 8 de janeiro de 1947, foi removido por concurso para exercer o cargo de diretor do Grupo Escolar Pedro de Toledo, em Lindóia-SP.
Em 30 de abril de 1948, seu lar foi enriquecido com o nascimento de sua filha, Maria Tereza.
Em 6 de fevereiro de 1948, foi removido por concurso para diretor do Grupo Escolar General Mascarenhas de Moraes, em Elias Fausto-SP.
Em 11 de fevereiro de 1948, assumiu a direção do Grupo Escolar Cel. João Pedro de Godoy Moreira, em Pedreira, sua terra natal, e no mesmo estabelecimento onde aprendeu as primeiras letras, permanecendo seu diretor até 30 de maio de 1964, quando se aposentou por merecimento.
Arnaldo Rossi, durante os 30 anos de magistério, dedicou-se inteiramente ao ensino, aprimoramento das crianças, sempre incansável, dando um exemplo de educador fiel aos seus compromissos.
Tinha verdadeiro amor às crianças de seu Grupo, onde sempre deu o melhor de si para o pleno desenvolvimento do ensino em Pedreira.
Após a sua aposentadoria pelo Magistério Paulista, foi nomeado Diretor da Escola Técnica de Comércio Municipal de Pedreira, que foi organizada sobre a sua orientação e capacidade.
Respondeu pela direção da mesma até o dia 25 de abril de 1968, data em que ocorreu o seu falecimento, perdendo assim a cidade de Pedreira, um dos seus filhos mais queridos e o ensino brasileiro, um grande educador.
Por proposta do então vereador Oswaldo Teixeira de Magalhães, deu entrada na Câmara, projeto para se dar ao Segundo Grupo Escolar de Pedreira, o nome de Prof. Arnaldo Rossi.
Tendo recebido total apoio, o pedido foi encaminhado para São Paulo e o Governador o transformou na Lei nº 10.366, de 17 de janeiro de 1969, publicado no Diário Oficial de 18 de janeiro de 1969.
A partir desta data, o estabelecimento passou a denominar-se Grupo Escolar Prof. Arnaldo Rossi.
No dia 26 de abril de 1969, foi realizada a festa de entronização do quadro do Prof. Arnaldo Rossi no estabelecimento que contou com a presença do Prof. Júlio da Silva Arruda, Delegado do Ensino Elementar de Amparo, Prof. Rufino da Silva, Inspetor Escolar do 1º Distrito, Oswaldo Teixeira de Magalhães, Prefeito Municipal de Pedreira e demais autoridades da cidade.

Pedreira, 26 de abril de 1969.
Fonte: Biografia do Prof. Arnaldo Rossi - cat. hist. n.º 32 - MHPP
Foto: Reprodução de fotografia - Arnaldo Rossi - acervo MHPP
(extraído do blog Memorial 9 de Julho, Pedreira-SP - http://memorial9dejulhopedreirasp.blogspot.com.br) 

sábado, 23 de agosto de 2014

SER ESCOTEIRO: "UM ATO DE INOCÊNCIA, CORAGEM E CIVISMO"


por Gunther Wulff Poloni

O escotismo sempre me interessou. Sempre soube que meu primo ia todo sábado se aventurar com seu Grupo Escoteiro. Resolvi experimentar, e em menos de um ano me dedicando, tornei-me monitor de uma patrulha. Hoje em dia, reflito comigo mesmo tudo o que passei e aprendi, e ainda não me conformo como as atividades e acampamentos me ajudaram nos aspectos de organização; escola; vida. Você aprende atividades com finalidade de melhorar o seu pensamento em seu dia a dia transformando e evoluindo o seu cidadão interior. Oitenta por cento de uma sala de aula tira nota baixa, e o resto são bons alunos. A maioria sempre ao mascar chicletes joga a embalagem no chão. O escoteiro não. São essas pequenas diferenças aprendidas com o escotismo que te faz um cidadão, e que, se todos fizerem, não causaram enchentes, não poluirão o meio ambiente... Imagine só andar pela rua e não ver uma bituquinha de cigarro... Isso para mim sim poderia ser chamado de humanidade. Já ouviu falar de Henry Ford, o fundador da Ford Motor Company? Estava ele uma vez procurando por um funcionário. Ele, disfarçado de um dos cidadãos procurando por emprego, impressionou-se com um simples ato que chamou sua atenção. Um dos demais pega um clips do chão e guarda no bolso adivinha quem foi contratado? O ato de pegar o clips do chão transmitiu a ideia para Henry de que o homem era econômico e se importava com as simples coisas, por menos valor que elas valham. O escotismo me tornou assim. Outra história que conheço também pode ser associada ao movimento escoteiro. Num escritório, estavam vários homens à espera de uma entrevista de emprego como professor de Alemão. Falando em Alemão, entra na sala um senhor esfarrapado implorando para levá-lo ao banheiro. Ninguém se manifesta, mas um homem sim. Levantou-se, levou-o até o banheiro. Agradeceu, e então as entrevistas começaram. Entra um, sai, entra outro, todos cabisbaixos, até que chega a vez do homem. Entrou na sala, e quem o esperava? O senhor esfarrapado. Suas atitudes podem mudar seu futuro. Isso que estou tentando transmitir são as pequenas diferenças em seu dia a dia que te faz alguém melhor. E quando alguém melhora o mundo também melhora. Em poucas palavras, o escotismo transforma o mundo. Ser econômico, leal, amigo, cortês, obediente, disciplinado, sorridente, sempre alerta é o que nos move. Não se envergonhar de fazer o que é certo, melhorar o mundo. Lembre-se; cada ato de diferença, por menor que seja já é um grande avanço.

sábado, 12 de julho de 2014

COMEMORAÇÕES 09 JULHO 2014

                                                         
                Walfrids Poloni - Presidente do Núcleo
                (fotos: Frida Poloni 09JUL14) 














Walfrids Poloni - 09JUL2014
54ª Vitrine em Memória da Revolução Constitucionalista
      Entrevista SRTV / Walfrids A. Poloni - 09JUL2014